Xi Jinping participará da Assembleia da ONU, em nome do multilateralismo

Xi Jinping participará da Assembleia da ONU, em nome do multilateralismo

Porto Velho, RO - Ao anunciar a participação do presidente chinês Xi Jinping por videoconferência na Assembleia Geral da ONU deste ano, a agência noticiosa Xinhua publicou um artigo sobre o papel do organismo multilateral na conjuntura mundial. 

Este ano marca o 75º aniversário da fundação da organização com 193 países, criando a partir de 51 signatários, incluindo a China no fim da Segunda Guerra Mundial. Hoje o mundo está em outra conjuntura na história da humanidade, e os esforços devem ser redobrados para "salvar as gerações vindouras", como está consagrado na Carta da ONU.

A Carta da ONU "trouxe regras e esperança para um mundo em ruínas", disse o secretário-geral da ONU, António Guterres, ao comemorar o nascimento da organização. Ela foi assinada em um momento em que os líderes mundiais sentiam uma forte necessidade de um mecanismo que ajudasse a trazer a paz e impedir guerras futuras, o que só seria possível se todas as nações trabalhassem juntas por meio de uma organização global.

No entanto, após décadas de globalização e integração, o mundo está enfrentando uma fragmentação cada vez maior em resposta a riscos e desafios salientes, devido ao retorno do unilateralismo, protecionismo, saída de tratados e práticas militares e econômicas de bullying.

A pandemia sem precedentes da Covid-19, que trouxe quase 1 milhão de mortes em todo o mundo e paralisou a economia global, é uma lembrança de um mundo em caos semelhante a 1945.

"Em 1945, a guerra mais destrutiva na história da humanidade terminou com o reconhecimento geral de que a humanidade nunca mais poderá permitir que tal devastação absoluta seja desencadeada por conflitos e conquistas nacionais, e que apenas uma organização multinacional pode fornecer essa esperança, se não for garantida", disse Robert Lawrence Kuhn, presidente da Fundação Kuhn com sede em Los Angeles e Nova York.

"Sempre há diferenças entre as nações. O melhor caminho é descobrir como desenvolver oportunidades coletivas e, ao mesmo tempo, controlar o conflito potencial por contato constante", disse ele.

Advertindo sobre os perigos nas relações internacionais na era das comunicações globais instantâneas e das redes sociais inflamadas, Kuhn sugeriu que a geopolítica global precisa de organizações multinacionais e relações bilaterais fortes entre as nações.

"A ONU não pode ser a resposta completa, mas certamente é parte da resposta", disse ele.

Consciência global 

Como membro fundador da ONU e membro permanente do Conselho de Segurança, a China tem honrado seus compromissos com os propósitos e princípios da Carta da ONU e tem defendido a ONU na resposta às ameaças globais e na busca pela paz e pelo desenvolvimento.

Em seu documento de posição sobre o 75º aniversário da ONU, a China reafirmou seus compromissos de salvaguardar o sistema de governança global centrado na ONU, as normas básicas das relações internacionais sustentadas pelos propósitos e princípios da Carta da ONU, a autoridade e a estatura da ONU e o papel central da ONU nos assuntos internacionais.

A voz da China ressoa com seus parceiros em todo o mundo.

Na segunda-feira, em uma reunião via link de vídeo com a chanceler alemã, Angela Merkel, o presidente do Conselho Europeu Charles Michel e a presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, Xi chegou a um consenso com os líderes da UE sobre a proteção do multilateralismo e a abordagem conjunta dos desafios globais.

Merkel, Michel e von der Leyen disseram que é imperativo que a Europa e a China fortaleçam a cooperação, salvaguardem conjuntamente o multilateralismo e resistam ao unilateralismo e ao protecionismo.

Comentando os resultados da reunião, Christine Bierre, editora-chefe da revista francesa Nouvelle Solidarité e especialista do Instituto Schiller France, disse que os líderes enviaram um sinal positivo sobre a salvaguarda da paz, estabilidade e prosperidade mundiais, demonstrando plenamente que a cooperação multilateral é a tendência dos tempos.

No cumprimento de suas responsabilidades, a China sempre mantém palavras e ações consistentes.

Beijing tem acoplado ativamente suas próprias metas e planos de desenvolvimento à Agenda 2030 para o Desenvolvimento Sustentável das Nações Unidas e obteve resultados notáveis em áreas como redução da pobreza e governança climática.

Além disso, a China também registrou uma força de prontidão com 8 mil homens e um esquadrão policial permanente com 300 membros para as missões de paz da ONU, e auxiliou outros países em desenvolvimento em 180 projetos de redução da pobreza, entre outras iniciativas e medidas apoiadas pela ONU, conforme Xi anunciou na reunião de cúpula de 2015 em comemoração aos 70 anos da organização.

"A China assumirá sua parcela de responsabilidade e continuará a desempenhar sua parte nesse esforço comum", disse Xi na sede da ONU há cinco anos.

"Devemos renovar nosso compromisso com os propósitos e princípios da Carta da ONU, construir um novo tipo de relações internacionais com uma cooperação na qual todos ganham e criar uma comunidade de futuro compartilhado para a humanidade", disse Xi.

Leia a íntegra