Pitaluga, do PT, é um dos presos na Operação Pau Oco em Rondônia passou a noite preso no presídio Urso Panda

Pitaluga, do PT, é um dos presos na Operação Pau Oco em Rondônia passou a noite preso no presídio Urso Panda

O secretário adjunto da SEDAM passou a noite preso no Presídio Urso Panda na capital.

Porto Velho, RO -
A Operação Pau Oco, que desbaratou um esquema de extração ilegal de madeiras, sem qualquer verificação prévia em áreas florestais de jurisdição estadual, prendeu, nesta segunda-feira, o secretário estadual adjunto de Meio Ambiente de Rondônia, Osvaldo Pitaluga.  

Segundo a Polícia Civil, que deflagrou a operação, os servidores faziam parte ou chefiavam uma organização criminosa e são suspeitos de lavagem de capitais, crimes contra a administração ambiental e falsidade ideológica.

As ações da organização envolviam lançamentos de informações falsas em documentos e sistemas públicos, bem como tomadas de decisões administrativas que iam contra a legislação.

Pitaluga, antigo integrante do Partido dos Trabalhadores em Rondônia, foi nomeado para o cargo pelo atual governador Daniel Pereira (PSB), seu ex-colega no PT.

O advogado de Pitaluga, Ernandes Segismundo, diz que seu cliente é inocente.

A OPERAÇÃO

A Operação Pau Oco foi deflagrada nas primeiras horas desta segunda-feira para o cumprimento de medidas cautelares de prisão, busca e apreensão e afastamento de servidores públicos do Poder Executivo do estado. A operação, sob responsabilidade da Delegacia de Repressão às Ações Criminosa Organizadas de Cacoal – DRACO/Interior, contou também com apoio do GAECO/MP/RO

A operação “Pau Oco” é a primeira etapa de uma investigação que apura o envolvimento de servidores públicos comissionados lotados na Secretaria de Desenvolvimento Ambiental (SEDAM) em diversos delitos, tais como integrar ou chefiar organização criminosa, falsidade ideológica, lavagem de capitais e crimes contra a administração ambiental.

Foram  cumpridos 6 mandados de prisão temporária, 10 de afastamento da função pública e 15 de busca e apreensão. Equipes cumpriram  busca  em prédios do CPA, onde se localiza a SEDAM. As ordens judiciais foram emitidas por desembargador do Tribunal de Justiça de Rondônia.

As ações da organização criminosa dizem respeito à tomada de decisões administrativas em desacordo com a legislação, inserção de dados falsos em sistemas informatizados e lançamento de informações ideologicamente falsas em sistemas e documentos públicos.

OSWALDO PITALUGA NO GOVERNO CONFÚCIO MOURA:

O ex-suprintendente do IBAMA em Rondônia, Oswaldo Pitaluga, do PT, demitido daquele órgão pelo então ministro Carlos Minc, do Meio Ambiente, foi nomeado pelo governador Confúcio Moura (PMDB) para exercer o cargo de assessor especial da Secretaria de Estado de Desenvolvimento Ambiental.

Pitaluga é mais um petista a ganhar cargo no governo peemedebista. Ele  já foi secretário de Agricultura de Rondônia durante o Governo Valdir Raupp (PMDB). Foi demitido do cargo após o massacre de camponeses no município de Corumbiara. 

DEMITIDO DO IBAMA Quando fazia parte do Governo Federal, Auditoria do Ibama concluiu que Pitaluga doou ilegalmente 36 motosseras e duas serrarias ao Movimento Camponês Corumbiara (MCC).

Em entrevista ao jornal O Globo, o então ministro do Meio Ambiente afirmou: “Dizem que o movimento (MCC) é parceiro, aliado. Tipo assim: os latifundiários não podem desmatar, mas nossa turma pode. Isso é totalmente contraditório com a minha gestão”.

O Movimento Camponês Corumbiara é uma dissidência do Movimento dos Sem Terras e responsável pela ocupação da Fazenda Santa Elina, no município de Corumbiara, em 1995, fato que resultou em massacre. Na época, Pitaluga era secretário estadual de Agricultura do Governo Raupp e foi demitido.

A auditoria do Ibama concluiu que Pitaluga favoreceu o movimento e descumpriu uma série de critérios de doação de bens apreendidos. Pitaluga, por sua vez, se defendeu afirmando que pode ter sido induzido a erro pela comissão de doação.

DECRETO DE 8 DE FEVEREIRO DE 2011.

O GOVERNADOR DO ESTADO DE RONDÔNIA, no uso das atribuições que lhe confere o art. 65, inciso V, da Constituição Estadual e, nos termos da Lei Complementar nº 224, de 4 de janeiro de 2000,

R E S O L V E:

Nomear, a partir de 1º de fevereiro de 2011, OSWALDO PITALUGA , para exercer o Cargo de Direção Superior, símbolo CDS-17, de Assessor Especial Ambiental, da Secretaria de Estado do Desenvolvimento Ambiental.

Palácio do Governo do Estado de Rondônia, em 8 de fevereiro de 2011, 123º da República.

CONFÚCIO AIRES MOURA

Governador