Musa de Bateria da Tatuapé é referência na luta pelos direitos das mulheres e justiça social

Musa de Bateria da Tatuapé é referência na luta pelos direitos das mulheres e justiça social

Renata Spallicci brilhou no Carnaval como musa de bateria da Acadêmicos do Tatuapé e encantou com muito samba no pé, beleza, carisma e um corpo escultural, além de ser apontada como a mais bonita fantasia dentre as musas do carnaval. Mas para além do estereotipo da mulher sensual e da musa do carnaval, Renata é uma referência na luta das mulheres por igualdade de direitos, contra o feminicídio e o preconceito e a favor do empoderamento feminino e de mais justiça social.

 

Renata sempre foi considerada uma referência de beleza, saúde e boa forma. Muito antes do carnaval, a musa da Tatuapé já tinha o reconhecimento como embaixadora no Brasil e como Diva Fitness do maior concurso de fitness, moda e beleza do mundo, o WBFF (World Beauty Fitness Fashion). No entanto, a musa tem se engajado ao longo dos anos em diversas causas de cunho social e a favor das mulheres:"a minha causa é mostrar que a mulher pode exercer vários papeis, ser multifacetada e realizar o que quiser. Batalho para que a mulher descubra sua força, conquiste o respeito e realize seus sonhos”.

 

Durante o Carnaval, Renata Spallicci e os membros da corte da escola levantaram a bandeira no Anhembi da luta por uma sociedade mais justa e igualitária e pelos direitos das mulheres. Muito além de toda a questão envolvendo fitness, beleza e carnaval, Renata é apontada como uma das novas lideranças femininas que surgiram nos últimos anos no Brasil: “Fico feliz de ver que muitas mulheres se inspiram no meu exemplo e tem se empoderado, mas não me vejo como uma líder feminista e sim como uma pessoa que luta pela valorização da mulher e ocupação do nosso merecido espaço na sociedade e nosso lugar de fala. Não levanto bandeiras de causas políticas e partidárias, mas sim a causa do que é ser mulher e sofrer preconceito simplesmente por nascer mulher, de ser impedida de usar uma roupa ou aparecer de biquini por medo de ser estereotipada como vulgar, sofrer assédio e ter de se reprimir. Hoje sou respeitada tanto como empresária e escritora como no mundo da beleza e do fitness, mas não foi fácil. O preconceito é algo que ainda existe e é forte. Alguns não entendem como posso ser musa do carnaval e diretora executiva, mas nós mulheres podemos ser tudo que quisermos ser”. 

 

Apesar de todos os êxitos como empresária e de todo o destaque como musa do carnaval, diva fitness e escritora, Renata conta que para chegar até aqui foram muitas as dificuldades: "eu sofri muito para sobreviver numa sociedade patriarcal, principalmente no inicio da minha carreira. Já tive de abrir mão dos meus sonhos por medo de atrapalhar minha carreira, por medo de ser julgada. Mas foi libertador quando descobri que podia seguir meu coração, atuar com o que amo e ser ainda mais competente no meu trabalho por ser uma mulher realizada. Por isso hoje atuo em diversas frentes e faço questão de compartilhar minha experiência com outras mulheres. É gratificante demais ajudar mulheres a resgatar a autoestima”.