Ministério da Saúde quebra confidencialidade de contrato com a Pfizer

Ministério da Saúde quebra confidencialidade de contrato com a Pfizer

Porto Velho, RO - O Ministério da Saúde quebrou uma cláusula de confidencialidade do contrato de compra de vacinas com a farmacêutica Pfizer ao publicar o documento na internet, segundo a CBN. Um dos tópicos menciona as informações que devem ser mantidas em sigilo, como "disposições financeiras ou de indenização" e qualquer dado que possa indicar "o preço por dose do produto", entre outros.

 

O contrato foi publicado na íntegra no site do ministério, onde ficou por ao menos dez dias. O contrato prevê que a Pfizer pode rescindir o acordo caso haja descumprimento das regras. Se houver rescisão por justa causa, o Brasil precisaria até mesmo pagar pelas doses sem receber a vacina.

 

O Ministério da Saúde só retirou o contrato do site depois de um pedido do laboratório norte-americano.

 

Pfizer diz que vacina tem 100% de eficácia em adolescentes entre 12 e 15 anos

 

A Pfizer anunciou nesta quarta-feira, 31, que sua vacina contra a Covid, produzida junto com a farmacêutica BioNTech, é 100% eficaz em adolescentes entre 12 e 15 anos. Segundo o laboratório, a vacina desencadeou respostas robustas de anticorpos, “excedendo aquelas registradas anteriormente em participantes vacinados com idade entre 16 e 25 anos”.

 

Os laboratórios, nas próximas semanas, vão solicitar à Agência de Alimentos e Drogas (FDA, na sigla em inglês) e à Agência Europeia de Medicamentos (EMA, na sigla em inglês) autorização para uso do imunizante na faixa etária agora testada.

 

“Compartilhamos a urgência de expandir a autorização de nossa vacina para uso em populações mais jovens e somos encorajados pelos dados de ensaios clínicos de adolescentes com idades entre 12 e 15 anos”, diz Albert Bourla, presidente e CEO da Pfizer, em nota. 

 

“Planejamos enviar esses dados ao FDA como uma emenda proposta à nossa autorização de uso emergencial nas próximas semanas e a outros reguladores em todo o mundo, com a esperança de começar a vacinar essa faixa etária antes do início do próximo ano letivo”, acrescenta.

 

O ensaio com a faixa etária envolveu 2.260 pessoas. No grupo vacinado, com 1,131 adolescentes, ninguém contraiu a doença. Os efeitos colaterais relatados foram “geralmente consistentes” com aqueles observados em participantes de 16 a 25 anos de idade.

 

Apesar de nunca ter sido aplicada no Brasil, por incompetência do governo de Jair Bolsonaro em adquirir vacinas contra o novo coronavírus, a vacina é a única a ter autorização para uso definitivo.