Gleisi sobre campanha de Moro para Bolsonaro: nem precisa mais desenhar

Gleisi sobre campanha de Moro para Bolsonaro: nem precisa mais desenhar

Porto Velho, RO - A presidente nacional do PT, deputada federal Gleisi Hoffmann (PR), criticou a parcialidade do ministro da Justiça e Segurança Pública, Sérgio Moro,  que já negociava o cargo na pasta com a equipe de Jair Bolsonaro antes de terminar a eleição presidencial do ano passado.

"Não é de hoje que #MoroMente, enquanto negociava cargo de ministro de Bolsonaro julgava caso do sítio Atibaia e distribuía delação de Palocci para a mídia. Tudo isso às vésperas do 1o turno das eleições. Nem precisa desenhar, o rei está nu", escreveu o parlamentar no Twitter.

O post da parlamentar foi publicado após o ex-ministro da Secretaria-Geral da República Gustavo Bebianno afirmar ao jornalista Fabvio Pannunzio que o ex-juiz teve pelo menos cinco encontros com o atual ministro da Economia, Paulo Guedes, antes do resultado da eleição presidencial.

Bebianno contou que aliados tiveram um encontro na casa de Bolsonaro. "Paulo Guedes me chama e diz 'quero conversar com um você um negócio importante'. Ele me contou já tinha tido cinco ou seis conversas com Sérgio Moro e que Moro estaria disposto a abandonar a magistratura e aceitar o desafio como ministro da Justiça", disse o ex-ministro.

O ex-ministro da Secretaria-Geral da República Gustavo Bebianno afirmou que o ex-juiz Sérgio Moro teve pelo menos cinco encontros com o atual ministro da Economia, Paulo Guedes, antes do resultado da eleição presidencial.

Bebianno contou que aliados tiveram um encontro na casa de Bolsonaro no dia do segundo turno. "Paulo Guedes me chama e diz 'quero conversar com um você um negócio importante'. Ele me contou já tinha tido cinco ou seis conversas com Sérgio Moro e que Moro estaria disposto a abandonar a magistratura e aceitar o desafio como ministro da Justiça", disse o ex-ministro.

Depois de aceitar o convite, Moro foi oficalizado como titular da Justiça e Segurança Pública, que demonstrou claramente a sua intenção de interferir na eleição ao liberar a delação premiada do ex-ministro Antonio Palocci há uma semana do primeiro turno do pleito presidencial. 

O ex-juiz vê seu desgaste cada vez maior desde junho, quando começaram a ser divulgadas pelo Intercept Brasil as irregularidades da Operação Lava Jato. Moro interferir no trabalho de procuradores, o que fere a equidistância entre quem julga e quem acusa. 

De acordo com uma das reportagens do Interpet, em parceira com a Veja, o ex-juiz pediu o acréscimo de informações na elaboração de uma denúncia contra Zwi Skornicki, representante da Keppel Fels, estaleiro que tinha contratos com a Petrobrás para a construção de plataformas de petróleo.

Moro também sugeria a inversão da ordem das fases da Lava Jato e chegou a questionar a capacidade de uma procuradora em interrogar o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, condenado sem provas para não disputar a eleição. Inclusive, uma das reportagens apontou que o procurador Deltan Dallagnol duvidava da existência de provas contra o ex-presidente no processo do triplex em Guarujá (SP).