Geraldo da Rondônia pede compaixão com a família do ex presidente Lula, e diz que um alerta foi ligado para a prevenção da meningite

Geraldo da Rondônia pede compaixão com a família do ex presidente Lula, e diz que um alerta foi ligado para a prevenção da meningite

 

O deputado Geraldo da Rondônia, consternado com a trágica morte por meningite de Arthur Lula de apenas 7 anos de idade, neto do ex presidente Luiz Inácio Lula da Silva, ocorrida nesta sexta-feira (01) presta solidariedade e clama por compaixão com à família enlutada.

 

O deputado argumentar ter acompanhado relatos nos meios de comunicação polemizando sobre a irreparável perda sofrida pelo ex presidente Lula. “Diante de toda essa situação um comentário em especial me chamou a atenção, afirmando ‘que nossas diferença políticas não nos privem da solidariedade que nos torna humanos’. Sejamos todos mais compassivos em respeitarmos o sofrimento de uma família que perde um ente querido, sendo este uma criança, no auge dos seus 7 anos de idade, vítima de uma doença grave.

 

Geraldo da Rondônia afirma ainda não levantar bandeira partidária nesse momento, mas sendo necessário abrir o coração e a mente para tratar o assunto com compaixão e respeito”.

Para a morte de Arthur Lula abre precedentes para debater a doença, como preveni-la e suas consequências.

 

Meningite

 

Para entendermos, a meningite é uma inflamação das meninges, membranas que envolvem o sistema nervoso central no cérebro. É uma doença séria que pode ser fatal. A causa mais comum é uma infecção por bactérias, fungos ou vírus (mais frequentemente). Entre outros, o sintoma que mais chama a atenção para o problema é a rigidez na nuca.

 

Uma maneira de prevenir a meningite é por meio da vacinação, que protege o organismo de agentes como o pneumococo, o meningococo e o hemófilus. Estão disponíveis vacinas para crianças de 2 a 24 meses que imunizam o organismo contra meningite bacteriana, pneumonia bacterêmica e otite média aguda, ambas causadas pela bactéria pneumococo.

 

Segundo o Ministério da Saúde, em 2018, foram registradas 1.072 casos da doença meningocócica no Brasil e 218 mortes.

A infecção meningocócica é a mais perigosa, pois ao cair na corrente sanguínea cria um processo inflamatório levando a queda de pressão e taquicardia.