EUA propõem que o mundo se una contra a China

EUA propõem que o mundo se una contra a China

Porto Velho, RO - Os Estados Unidos consideram que a China deve compensar não apenas os americanos que foram infectados, mas também "os danos que foram causados ​​à economia dos EUA", diz o secretário de Estado Mike Pompeo.

O mundo deve "impor [o pagamento de] custos à China" pelo coronavírus, diz o secretário de Estado dos EUA, Mike Pompeo, em entrevista ao Washington Examiner publicada no domingo (17).

"O mundo precisa se unir para impor [o pagamento de] custos à China até que eles mudem seu comportamento de tal maneira que se comportem como uma nação que é digna do que eles alegam ser", disse o diplomata, referindo-se às aspirações do gigante asiático para se tornar uma "superpotência". "No entanto, eles se comportam de maneira incompatível com suas obrigações, não apenas sob os regulamentos da OMS, mas também como bons membros da sociedade: compartilhando dados e sendo transparentes", continuou o chefe da diplomacia americana.

Pompeo revelou que já apresentou ao presidente Donald Trump vários cenários que obrigariam Pequim a compensar os danos causados ​​aos cidadãos americanos pelo surto do coronavírus.

E "não apenas as pessoas que perderam a vida ou ficaram doentes, mas todas as que sofreram danos econômicos e os danos que foram causados ​​à economia dos EUA", disse ele.

Questionado sobre o que a Casa Branca culpa especificamente o governo de Xi Jinping, Pompeo respondeu: "Sabemos que o vírus se originou na [cidade chinesa de] Wuhan" e que "o Partido Comunista Chinês foi implacável em nos negar a capacidade de determinar" exatamente onde.

O secretário de Estado também acusou as autoridades do país asiático de supostamente não terem denunciado o vírus à OMS em tempo hábil, de terem forçado a organização mundial a "permanecer calada sobre a magnitude e origem da pandemia "e até mesmo impedindo que os médicos chineses" falem em público ". "Essas são todas as coisas que sabemos com certeza", disse Pompeo.

Além disso, ele afirma que Pequim se recusa a fornecer aos EUA informações e outros dados importantes necessários aos cientistas e epidemiologistas americanos para testar sua vacina secreta 19 e "ajudar a colocar a economia americana e de todo o mundo de volta aos trilhos".

Pompeo diz que não são apenas os EUA que tentam fazer a China responder a essas perguntas. Ele indicou também que conta com o apoio da Austrália e de alguns países europeus. Além disso, nesta semana, o secretário de Estado conversou por telefone com o Japão, Coréia do Sul e Brasil.

"São países que enfrentam os mesmos problemas e reconhecem que, durante décadas, ignoramos a ameaça do Partido Comunista Chinês", afirmou Pompeo.

"24 acusações absurdas"

O Ministério das Relações Exteriores da China publicou um artigo de 30 páginas na semana passada refutando o que chama de "24 acusações absurdas" por alguns dos principais políticos americanos sobre a maneira como Pequim lidou com o surto de covid-19.

Entre outras coisas, o artigo demonstra um cronograma que reflete como a China tem fornecido informações à comunidade internacional de maneira "adequada, aberta e transparente", apesar do fato de os EUA afirmarem o contrário, informa Russia Today .