Eu Moro a dele, escreve Demóstenes Torres

Eu Moro a dele, escreve Demóstenes Torres

Porto Velho, RO - Quando eu era criança, na década de 60, apareceu uma palavra que começou a me causar espanto. Naquela idade eu só conhecia a linguagem literal. A palavra era “morô”. Pequeno, não sabia ainda o que era gíria, e o vocábulo, para mim, significava “residir”, no passado. Minha cabeça entrava numa barafunda quando alguém me perguntava: “morô na jogada?”. Pior ainda era quando o maior cantor da época, Roberto Carlos, dizia em seu programa televisivo: “é uma brasa, mora?”.

Só mais tarde, quando a expressão estava desaparecendo, “morei” que significava “perceber, entender, compreender”.

Os diálogos trazidos a lume pelo The Intercept Brasil, em parceria com Veja, Folha de S.Paulo e Reinaldo Azevedo, pasmaram o país. Todos identificaram a atuação conjunta do Judiciário, Ministério Público e Polícia Federal, que culminou com a iminência do que os estudiosos chamam de “Estado Policial”. Ali, Moro aparece chefiando a força-tarefa da Lava Jato, dando ordens aos procuradores e direcionando a prova que almejava: a condenação, em vez do julgamento conforme as provas apuradas.

O que valia era a derrubada do inimigo, da pessoa odiada, para gerar um culto à personalidade, de maneira semelhante a Hitler e Stalin.

Como o brasileiro, instado pelas diversas formas de mídia, estava sequioso de justiça, logo apareceu o herói, aquele que finalmente faria brotá-la no Brasil. E, para sso, não se mediu esforços a fim de enaltecer o Dom Quixote: prêmios, aclamações, aplausos.

O queridismo mais espalhafatoso conduziu o país às sombras, enquanto a economia brasileira era esfrangalhada, chegando ao ápice do desmoronamento com treze milhões e meio de desempregados. As empresas eram obrigadas a fazer acordos de leniência e tinham que responsabilizar políticos para que seus agentes sofressem uma pena mínima de prisão.

Com isso, as empresas deixaram de ter proeminência, muitas entraram em recuperação judicial e os marginais presidentes, diretores, superintendentes e empregados que confessaram delitos acabaram por ter punições simbólicas.

Muitos dizem: “a Lava Jato recuperou muito dinheiro desviado”. Será que isso foi realmente vantajoso? Alguém já calculou o que o país perdeu com a paralisia econômica imposta pela operação? Lembro-me de uma situação que pode justificar o questionamento: quando Michel Temer estava próximo de aprovar uma reforma da Previdência, apareceu o homem do bambu, com suas flechas, e uma gravação absolutamente frágil, feita por um delinquente confesso, no Palácio do Planalto, que pretendia gerar um novo impeachment e mostrar o quanto bem fazia o silvícola e sua tribo para o Brasil. Apenas esse episódio custou bilhões de reais ao país.

Toda sexta-feira, costumo me reunir com a turma do mundo jurídico e pensadores das mais diversas matizes para discutir variados assuntos, e uma questão foi posta sobre a mesa: diante do que estava sendo divulgado, Moro agira corretamente?

E as nuances foram aparecendo: por unanimidade, todos reputaram os diálogos autênticos; também unanimemente, concordaram que a obtenção da prova foi ilícita; dois terços dos promotores e juízes afirmaram que Moro e Dallagnol agiram corretamente, porque “se fossem seguir estritamente o que diz a lei, não se chegaria a lugar algum”, e que é preciso punir a qualquer custo, porque ninguém aguenta mais a corrupção no Brasil.

Perguntei, de volta: mas e as leis, não podem ser modificadas? Primeiro, responderam por maioria: a atual Constituição Brasileira, garantista, é um entrave a qualquer investigação, protege marginais e, consequentemente, não admite diversas alterações necessárias; segundo, os congressistas brasileiros são analfabetos e não têm a mínima noção do que deve ser alterado. Anote-se, não estava eu conversando com Zé Manés, e sim com uma elite intelectual incrustada na área jurídica.

Percebi, então, que o ovo da serpente já foi posto e não tenho dúvida de que o Ministro da Justiça e Segurança Pública é ente inadaptado à convivência em democracia.

O episódio da apuração da invasão de celulares pelos hackers é um exemplo do que se vive no momento e confirma a afirmação feita: Moro foi vítima de um hacker que invadiu seu telefone e pediu que a Polícia Federal apurasse o fato. Em seguida, se imiscuiu na investigação –vide tweets– e, por fim, anunciou que havia uma centena de autoridades hackeadas e que determinara a destruição do material apreendido.

Note-se o modus operandi na Lava Jato: lá ele foi delegado, procurador da república e juiz federal, e compare com o que está acontecendo agora, no casos dos hackers: ele é vítima, delegado e juiz. É um caso perdido para o autoritarismo, não tem solução.

Vai cometer outras arbitrariedades porque é o seu viés. Praticou crimes, sim, dezenas deles; e isso desaguará em alguma punição? Dificilmente, porque a mesma legislação que ele queria mudar, por ser ineficiente, agora o acoberta. Estivessem vigentes as Dez Medidas Contra a Corrupção, ele e seu exército estariam danados.

Talvez sobre para o empreendedor Deltan Dallagnol porque as provas que demonstram que ele e outro procurador queriam se utilizar de suas mulheres para constituir uma empresa fantasma e laranja são inúteis para qualquer fim; contudo as palestras nada republicanas tiveram origem anterior à divulgação dos diálogos, sendo deles completamente independentes e não derivados. Aliás, os preços cobrados por Dallagnol são admiráveis. Aqui fora, pode-se lembrar de uma frase que era corrente entre os jovens dos anos 70, quando se deparavam com algo muito caro: “tabela de prostíbulo!”. É de se indagar: os demais procuradores também tinham rendimentos oriundos de eventos similares aos do mosqueteiro ou eram só um troco, se comparados com os dele?

Deltan talvez seja o membro do MP que mais fatura em decorrência de sua atuação. Portanto, lucrou bastante com a Lava Jato.

Uma outra questão intrigante: como uma investigação sigilosa foi parar na televisão, mostrando como o hacker invadiu os celulares das autoridades? O ministério de Moro não vai apurar quem foi a fonte que abasteceu especialmente a Rede Globo? Debaixo do paletó de Moro, os vazamentos continuam. E será que as autoridades avisadas se sentiram chantageadas com a notícia de que havia também material hackeado em relação a elas?

De qualquer forma, Moro, como civil, detém aprovação da maioria da população –até da parte mais intelectualizada. Mas é bom sempre se ter em mente a frase inapelável de Gustavo Corção: “O fato de um milhão de pessoas participarem dos mesmos vícios não os transforma em virtudes”.

Chegou a hora em que o Brasil necessita de pessoas que não buscam aplausos, o que me recorda a história de uma das maiores sopranos da ópera, a brasileira Bidu Sayão. Em 1937, já estrela do Metropolitan Opera House, veio ao Theatro Municipal do Rio e foi vigorosamente vaiada ao interpretar Pelléas et Mélisande, a única ópera de Claude Debussy.

Consta que a vaia foi orquestrada por admiradores da meio-soprano Gabriella Besanzoni Lage, cujo sucesso em outra ópera, Carmen, não desejavam que fosse obscurecido pela carioca moradora dos Estados Unidos, que vinha coberta de louros. E a mágoa, segundo relato de amigos próximos, só se desfez em 1995, quando ela foi o enredo da escola de samba Beija-Flor.

Com o Estado de Direito doente e a base jurídica do país comprometida por sentimentos autoritários, os juízes de Tribunais Superiores e do Supremo Tribunal Federal têm de ser a voz contramajoritária. O sofrimento pelas vaias em avião e constrangimentos nas ruas e outros locais são compensados pelo senso de cumprimento de justiça e pelo lugar certamente guardado na História. Afinal, quem se lembra do gorila que cassou Evandro Lins e Silva?

Quanto ao mocinho inflável, posso hoje dizer: eu moro a dele.

Pesca Esportiva