Espião dos EUA detido na Venezuela é acusado de terrorismo e tráfico de armas

Espião dos EUA detido na Venezuela é acusado de terrorismo e tráfico de armas

Porto Velho, RO - Segundo as autoridades da Venezuela, o homem estava planejando ataques contra a indústria petrolífera e o sistema elétrico do país, que têm estado sob pressão significativa especialmente durante a atual pandemia.

O procurador-geral da Venezuela, Tarek William Saab, anunciou nesta segunda-feira (14) que o suposto espião dos EUA, Matthew John Heath, é acusado de terrorismo e tráfico de armas no país sul-americano.

"Eles tentaram encher o país de sangue. O Estado venezuelano conseguiu neutralizar os planos para atacar a indústria petrolífera e o sistema elétrico nacional", disse Saab na televisão estatal.

O homem foi preso junto com outros três, que foram acusados de traição, afirmou Saab, acrescentando que o grupo tinha na sua posse armas, um celular via satélite, explosivos plásticos e dinheiro em moeda estrangeira (dólares dos EUA). Heath também tinha roupas "alusivas" a uma agência estatal.

​Os cidadãos seguiam em um veículo da marca Chery, modelo Arauca, no qual foi encontrado um lança-granadas AT4 de calibre 84 mm; uma submetralhadora modelo UZI de calibre 9 mm; quatro peças retangulares de suposto material explosivo (C4) e dinheiro em moeda estrangeira.

Além do mais, o procurador-geral apontou que o cidadão dos EUA não possuía documentos originais necessários para entrar no país e havia cruzado ilegalmente a fronteira através da Colômbia.

Heath só tinha uma cópia do seu passaporte, escondida em seu sapato, e se recusou a desbloquear o telefone via satélite para as autoridades, disse o procurador-geral venezuelano.