Deputados aprovam indicada pelo governador para presidir a Funcer

Deputados aprovam indicada pelo governador para presidir a Funcer

Porto Velho, RO - O nome de Eluane Martins Silva, indicada pelo governador Marcos Rocha (PSL), para ocupar o cargo de presidente da Fundação Cultura do Estado de Rondônia (Funcer), órgão vinculado à Secretaria de Estado de Educação (Seduc), foi aprovado pelos deputados estaduais, durante sessão extra no começo da noite desta terça-feira (25).

Conforme estabelece a Constituição Estadual, os deputados estaduais integrantes da Comissão de Educação e Cultura (CEC) se reuniram na tarde desta terça-feira (25), no plenarinho 1, para sabatinar Eluane Martins.

O presidente da CEC, Lazinho da Fetagro (PT), comandou a sessão de sabatina, que contou com as presenças dos deputados Ismael Crispin (PSB), nomeado relator do parecer, Alex Silva (PRB), Edson Martins (MDB), Dr. Neidson (PMN), Alex Redano (PRB), Cassia Muleta (Podemos), Anderson Pereira (Pros), Adelino Follador (DEM), Marcelo Cruz (PTB) e Chiquinho da Emater (PSB).

Lazinho observou que a cultura em Rondônia está em franca formação, sendo importante a atuação do órgão público na promoção de ações culturais.

"Esse é um grande desafio e quero aqui registrar o meu desejo que a nossa cultura possa ser valorizada, ser tratada com a devida importância", disse Lazinho.

Inicialmente, Eluane fez um breve relato de seu currículo e de sua atuação no Governo, desde 2011, passando por funções como a gerência do Tudo Aqui (antigo Shopping Cidadão), direção da Secretaria de Ação Social (Seas) e na Superintendência Estadual de Juventude, Cultura, Esportes e Lazer (Sejucel).

"A minha missão, caso seja confirmada na presidência da Funcer, é ofertar espaços para os artistas locais e para levar cultura para a população. Esse é meu objetivo, meu desafio", destacou.

O deputado Crispin abriu a série de perguntas, observando que a cultura é, quase sempre, relegada a planos inferiores. "Como presidente da Funcer, qual seu trabalho, qual sua proposta para resgatar e valorizar segmentos da cultura do Estado, hoje relegados?".

Em resposta, Eluane declarou que "os artistas locais precisam de muito pouco. Quando abrimos para apresentações gratuitas para grupos, com trabalho já reconhecido, comprovando sede em Rondônia, isso gera um grande efeito positivo".

Ela garantiu que serão feitos chamamentos públicos para apresentações nos espaços, com preferência para artistas locais. "Temos muita coisa, muitos segmentos e nossa proposta é ajudar, de alguma forma. O Governo está trabalhando numa reestruturação administrativa e a ideia é que a Funcer seja unificada com a Superintendência Estadual da Juventude, Cultura, Esportes e Lazer (Sejucel)", acrescentou.

Chiquinho da Emater enalteceu a competência da indicada e desejou sucesso na nova caminhada, caso seja confirmada no cargo. "Mas, peço que as ações culturais não se restrinjam à capital apenas, mas que seja estendida ao interior, que é muito importante".

Dr. Neidson quis saber se a Funcer atua apenas na administração dos espaços culturais. "Realmente, estamos priorizando a manutenção e melhorias nos dois teatros, na Casa da Cultura Ivan Marrocos, no Museu e na biblioteca Pontes Pinto", disse Eluane.

Edson Martins também registrou que a indicada já mostrou sua capacidade, em outros cargos públicos que ocupou. Ele observou, entretanto, que nomes da cultura local possam ser mais prestigiados, mais valorizados.

Adelino Follador (DEM) questionou se há algum planejamento para a gestão do teatro de Ariquemes, que deverá ser entregue em breve. "Em tendo seu nome confirmado, qual será seu projeto para o teatro de Ariquemes? Também gostaria de saber como é a ocupação hoje dos teatros da capital e se há algum projeto de incentivo para eventos literários".

Em resposta, Eluane disse que a obra do teatro de Ariquemes não foi concluída e a prefeitura e o Estado precisam entrar num acordo. "Temos que buscar parcerias também para a manutenção. Leva um tempo para o teatro ser autossustentável e sabemos disso".

Alex Redano sugeriu que sejam estudados projetos de parcerias públicas privadas, para a manutenção dos teatros, a exemplo de Ariquemes. "As pessoas já questionam se aquela grande estrutura não vai virar um elefante branco, e muito caro. Tem que trazer bons espetáculos, para dar retorno e garantir o seu funcionamento".

Eluane declarou que "não é fácil a Fundação ou a Sejucel trazerem grandes espetáculos de fora, por envolver recursos públicos. Isso é necessário, mas precisa ser melhor tratado do ponto de vista legal".

Marcelo Cruz pontuou que, no vizinho Acre, eles conseguem alocar recursos externos com sua fundação de cultura. "Fica aqui essa informação, a título de sugestão, para que possamos fortalecer a nossa cultura local".

Ao final, Ismael Crispin leu o seu relatório, com parecer favorável, que foi aprovado.