Com eficácia da CoronaVac, País precisa vacinar 99% do público-alvo para ter imunidade coletiva

Com eficácia da CoronaVac, País precisa vacinar 99% do público-alvo para ter imunidade coletiva

Porto Velho, RO - O microbiologista Luiz Gustavo de Almeida, do Instituto de Ciências Biomédicas da Universidade de São Paulo (USP) e do Instituto Questão de Ciência, calculou que o Brasil precisará aplicar a Coronavac em praticamente toda a sua população apta a recebê-la (99%) para alcançar a imunidade coletiva. De acordo com o estudioso, Almeida seriam necessários dez meses para que todos recebessem a primeira dose. Se não houver imprevistos, a vacinação terá detido totalmente o vírus no segundo semestre de 2022.

A eficácia global da vacina produzida pelo Instituto Butantan e pelo laboratório chinês Sinovac é de 50,4%, como anunciado na terça-feira (12). Por consequência, para alcançar a imunidade de rebanho, será necessário imunizar 160 milhões de brasileiros (dos 162 milhões que podem receber a vacina). O Brasil tem 211 milhões de habitantes, de acordo com o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). No entanto, os menores de 18 anos, inicialmente, não receberão a vacina.

Especialistas consideram que a imunidade coletiva é obtida quando entre 60% e 70% da população está imunizada, informou uma reportagem do jornal O Estado de S.Paulo. 

O microbiologista afirmou que, no caso da vacina da Pfizer/BioNtech, com eficácia de 95%, seria necessário imunizar metade do público, 81 milhões, em aproximadamente cinco meses. 

Tendo como exemplo a vacina de Oxford (produzida no País pela Fiocruz e que também deve estar disponível no Brasil), com uma eficácia de 62,1%, o percentual teria de chegar a 80%. Seriam 129 milhões vacinados em aproximadamente oito meses.